Gestão de recursos hídricos perde um expoente de grande valor: Rubem La Laina Porto

O Setor de Saneamento perdeu, no dia 1º de julho, um expoente nacional na gestão e disseminação do conhecimento sobre recursos hídricos. O engenheiro da Sabesp e professor da Universidade de São Paulo (UP) Rubem La Laina foi presidente da Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRH) e teve atuação destacada durante a crise hídrica no biênio 2014/2015. Seus trabalhos técnicos foram de suma importância para que o Estado de São Paulo contornasse e conseguisse superar a escassez de água no período.

Rubem Porto era casado com a também engenheira e professora Titular da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (POLI/USP), na área de Engenharia Ambiental, Mônica Ferreira do Amaral Porto, conselheira da Sabesp. Os engenheiros, que foram professores do mestrado da presidente da AESabesp, Viviana Borges, prestigiou a festa de aniversário da associação, no Círculo Militar, em 2016. Na ocasião, Mônica era Secretária Adjunta na Secretaria de Recursos Hídricos e Saneamento.

Uma das grandes contribuições de Rubem La Laina Porto para o setor foi a formação de muitos engenheiros da Sabesp, tanto no curso de graduação quanto de pós-graduação, como é o caso de Viviana Borges. “Um professor muito especial que deixou um importante legado, que vai desde a publicação de livros técnicos e a construção de Planos Diretores de Saneamento e Planos de Bacias até o desenvolvimento de outros talentos, como é o caso do nosso associado e homenageado Kamel Zahed Filho e de outros professores pelo Brasil todo”, destaca a presidente da AESabep. Viviana lembra ainda que o professor foi voluntário da AESabesp em um projeto de construção de um curso de pós-graduação.

Além disso, Rubem Porto foi o grande mentor do Labsid (Laboratório de Sistemas de Suporte a Decisões – Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica do Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo), cuja missão é fornecer aos diversos setores da sociedade instrumentos técnicos e gerenciais para a solução de problemas nos campos da Hidráulica, Recursos Hídricos, Saneamento e Meio Ambiente.

“O professor Rubem La Laina Porto trabalhou, batalhou muito e foi o grande responsável pela valorização e disseminação do conhecimento sobre gestão hídrica”, ressalta Paulo Massato, Diretor Metropolitano da Sabesp. “Pudemos trabalhar em conjunto para desenvolver um grande sistema: O Sistema de Suporte a Decisões (SSD), que hoje é a nossa principal ferramenta para fazer a gestão de todos os mananciais da Região Metropolitana de São Paulo. Rubem foi uma pessoa que sempre foi muito ponderada na gestão dos recursos hídricos, fazendo questão de que as paixões fossem superadas pela lógica racional de uma boa gestão. É com grande pesar que a Sabesp e, principalmente, o Setor de Recursos Hídricos brasileiro perde esse grande batalhador”, comenta, com deferência, o amigo e admirador.

Massato lembra que o SSD está disponível paras as Câmaras Técnicas do PCJ (Bacia Piracicaba, Capivari e Jundiaí) e, em breve, será levado para o Vale do Paraíba, na região nordeste do Estado.

Marco Antonio Lopez Barros, Superintendente da Unidade de Negócios de Produção de Água – MA da Sabesp também comenta sobre a importância de Rubem La Laina Porto para o setor.

“Durante a Crise Hídrica que se abateu na Região Metropolitana, o Professor Rubem Porto teve uma atuação importante na definição das estratégias a serem adotadas para o enfrentamento. Deu todo suporte, através da equipe do LabSid e do FCTH da USP, para que a Sabesp pudesse ter em mãos projeções e simulações de cenários”, frisa. “Esta condição permitiu que as decisões tomadas fossem embasadas em critérios técnicos e com alto grau de segurança em sua efetividade. Naquele momento, o tempo nos pressionava para a conclusão das obras, e a certeza de que os prazos propostos eram adequados nos dava segurança”, frisa Marco Barros.

“Não podemos esquecer que naquele mesmo momento, estávamos em meio às discussões para a renovação da Outorga do Sistema Cantareira, e a atuação de Rubem Porto foi decisiva para que os critérios adotados, com níveis para sua utilização e a definição de pontos de controle na Bacia à jusante, estejam em vigor. Esta contribuição vem oferecendo maior segurança hídrica a milhões de pessoas que moram na região”, conclui Barros.