Home

Dia 05.10 - Terceiro Dia do Congresso ABES - Fenasan 2017 PDF Imprimir E-mail
Sáb, 21 de Outubro de 2017 13:02

A Sabesp, na condição de concessionária paulista anfitriã do congresso nacional, montou dois estandes na Feira, muito bem estruturados, funcionais e sempre muito visitados. Durante os três dias foi apresentada uma exposição histórica da Companhia, onde os visitantes eram convidados a colocarem óculos de dimensão ampliada, para ver detalhes minuciosos das grandes ações.

Em seu último dia, a Fenasan 2017 novamente deixou os seus 213 expositores bastante satisfeitos, tanto com o grande volume do seu público, quanto pelo conhecimento técnico dos visitantes, gerando muitas perspectivas de negociações e ampliação de rede de contatos.

A Feira foi fechada com chave de ouro, atingindo a marca de 25 mil visitantes, um índice bastante celebrado pelos expositores, que expandiram os seus produtos, sistemas e serviços no mercado do setor. O otimismo e o voto de confiança na recuperação do País foram a tônica do momento.

Palestra com o senador Jorge Viana

Na palestra magna do último dia de painéis do Congresso, o senador Jorge Viana afirmou que as discussões sobre saneamento e resíduos sólidos não têm a mesma importância que é dada ao tema no resto do mundo. O parlamentar acreano, que já foi prefeito de Rio Branco e governador do estado por dois mandatos, disse que o preparo que falta aos gestores em cargos administrativos sobra nos integrantes de órgãos reguladores. “Isso atrapalha a gestão quando se estabelecem regras e tetos de gastos, antes de se estabelecer critérios para as obras públicas”.

Viana disse ainda que a oportunidade do país começar a agir para se precaver de colapsos de abastecimento e de tragédias causadas pelas mudanças climáticas é agora com o Fórum Mundial da Água (que acontece em março, em Brasília). “Vamos convidar os parlamentares para a discussão porque antes de tudo é uma questão legislativa. Tem lobby para tudo no Congresso, menos para saneamento ambiental”, destaca. Para ele a mobilização política em torno dos temas saneamento e mudanças climáticas não está deficitária só no Brasil. “Se o acordo de Paris for cumprido haverá reflexos no saneamento. Esse acordo prevê investimento de US$ 100 bilhões, mas como fazer isso sem a maior economia do mundo, já que o presidente americano Donald Trump anunciou a saída do acordo?”, indagou.

O parlamentar contabiliza que cerca de 4 bilhões de pessoas no mundo moram nas cidades e é delas que sai mais de 50% das emissões de gases que afetam o clima. Dois graus a mais de temperatura trarão uma reação da natureza mais forte nas cidades.  E também observou: "ainda não tomamos a decisão de despoluir definitivamente os rios e junto com as mudanças climáticas, essas coisas trarão mais problemas para as cidades que vão ter que se adaptar e é caro fazer isso, os prejuízos vão se acelerar e a resposta para desastres naturais custa 7 vezes mais cara que a prevenção”, concluiu.

Conferência Livre de Saúde

Com o tema “Saneamento no Território: Como estabelecer e fortalecer o diálogo entre os setores de saneamento e de saúde?”, a conferência discutiu a importância de políticas públicas integradas no cenário atual, levando em consideração o crescimento das cidades e regiões metropolitanas.

O painel foi coordenado pela Diretora da ABES-SP e Coordenadora das Câmaras Técnicas de Saúde Pública e Resíduos Sólidos de São Paulo, Roseane Maria Garcia Lopes de Souza, que agora passa a coordenar também a Câmara Temática de Saúde Ambiental, em âmbito nacional.

 

Associação dos Engenheiros da Sabesp
Rua Treze de Maio, 1642 - Bela Vista
01327-002 - São Paulo - SP
Tel: 11 3263 0484 | Fax: 11 3141 9041
aesabesp@aesabesp.org.br